Caropreso elogia os índices de segurança pública na região da Amvali

Projeto quer possibilitar a devolução de ICMS para consumidores em SC
6 de agosto de 2019
Ato parlamentar solene homenageia voluntários dos hospitais filantrópicos
8 de agosto de 2019

Caropreso elogia os índices de segurança pública na região da Amvali

O deputado Maurício Eskudlark (PL) comemorou a divulgação do mapa da segurança pública divulgado pelo IPEA em relação ao ano de 2019. “Santa Catarina se destaca apresentando três cidades entre os 20 municípios do país com mais de 100 mil habitantes que têm os menores índices de homicídios: Jaraguá do Sul (4º), Brusque (5º) e Tubarão (15º). Isso acontece por causa da forma da distribuição da população, da quilidade do nosso povo, da segurança pública e das ações que são levadas para colocar Santa Catarina num patamar que é desejo de todas as cidades”, avaliou.

Presidente da Comissão de Segurança Pública, Eskudlark destacou que o estado vem, desde o início do ano, usando uma nova forma diferente de administrar a segurança, com um colegiado de Segurança Pública. “Não temos mais um secretário com uma estrutura maior do que dispunham os comandos das polícias e dos bombeiros. Tínhamos uma secretaria que recebia os pleitos e que chamava os comandos para encontrar soluções. Hoje são os próprios comandantes que fazem esse trabalho com seus profissionais e que adotam as medidas de segurança. O estudo do IPEA reforça que o que tem sido feito em Santa Catarina tem dado resultado”, garantiu.

Para ele, a preocupação, no entanto, não acaba. Citou o caso de Florianópolis, que entre as capitais é a 7ª colocada, com índice de 30 homicídios por 100 mil habitantes, número que é elevado, pois a ONU indica até 10 como o limite aceitável. Em Jaraguá do Sul o índice é de 5,5 por 10 mil habitantes, em Brusque 5,8 e em Tubarão 8,1.

Ao discursar, o deputado Doutor Vicente Caropreso (PSDB) falou que “o sucesso de Jaraguá do Sul” nessa questão se dá por causa do relacionamento da corporação policial com a comunidade, prefeitura e líderes comunitários ao longo do tempo. “É um triângulo que se sedimentou e agora vemos a redução da violência e participação maior da comunidade de forma organizada, criando o respeito à prevenção.” Segundo ele, os convênios foram feitos para que as arrecadações obtidas por meio das multas garantam investimento na renovação de armamentos, câmeras de vigilância e veículos para equipar cada vez melhor o contingente policial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *