Dr. Vicente destaca dados que mostram eficiência de SC no tratamento do câncer infantojuvenil

Inclusão marca ato de entrega da Comenda do Legislativo Catarinense
28 de novembro de 2019
Comissão lança coletânea dos direitos da pessoa com deficiência
3 de dezembro de 2019

Dr. Vicente destaca dados que mostram eficiência de SC no tratamento do câncer infantojuvenil

O deputado estadual Dr. Vicente Caropreso (PSDB) participou esta semana (26/11) do lançamento da 4ª revista com os dados do Registro Hospitalar de Câncer (RHC), do Hospital Infantil Joana de Gusmão, que é referência em oncologia pediátrica em Santa Catarina. A apresentação foi feita pela médica oncologista Denise Bousfield da Silva. A publicação traz dados epidemiológicos e de sobrevida dos pacientes do período de 2014 a 2018 O câncer representa a primeira causa de morte por doença na faixa etária entre 1 e 19 anos no Brasil.

Há 20 anos, as chances de cura do câncer em pacientes infantojuvenis (até 15 anos) era de 35%, hoje a taxa de cura no país é de 64%. Em Santa Catarina o indicie de sobrevida alcança 85%. Entre 2014 e 2018 foram registrados 386 casos de neoplasias malignas em crianças e adolescentes no Hospital Infantil Joana de Gusmão.

“Isso é fruto do trabalho sério dos profissionais envolvidos, da pujança do hospital infantil e esforço do corpo clínico. O registro competente dos dados do RHC é fundamental para a pesquisa e para a avaliação correta do trabalho prestado pelo hospital, oferecendo dados estatísticos sobre o resultado dos tratamentos realizados”, afirmou o deputado, que é médico neurologista, ao relatar os dados do RHC aos demais parlamentares, durante reunião da Comissão de Saúde da Alesc.

Ele destacou outro dado positivo para o estado: o tempo entre a primeira consulta com o oncologista e o início do tratamento variou entre 2 e 17 dias. “Um dado excelente diante da lei federal que determina que o tratamento inicie no máximo em 60 dias. Sabemos que a sobrevida do paciente com câncer está diretamente ligada ao diagnóstico precoce e ao tratamento em centro de referência”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *