WhatsApp Image 2021-08-16 at 12.47.28
WhatsApp Image 2021-08-16 at 12.30.58
WhatsApp Image 2021-08-16 at 12.30.57 (2)
WhatsApp Image 2021-08-16 at 12.30.57 (1)
WhatsApp Image 2021-08-16 at 12.30.57
previous arrow
next arrow

Deputado Dr. Vicente promove Seminário sobre o Autismo em Imbituba

5 DICAS DE SAÚDE DURANTE O TRABALHO
30 de maio de 2019
Deputado Dr. Vicente Caropreso cumpre agenda em Brasília
5 de junho de 2019

Deputado Dr. Vicente promove Seminário sobre o Autismo em Imbituba

Mais de 400 profissionais das áreas da saúde, educação e assistência social do Sul do Estado prestigiaram nessa sexta-feira (31), em Imbituba, o Seminário Autismo: Intervenção precoce, socialização e inclusão no mercado de trabalho, realizado pela Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência e pela Escola do Legislativo Deputado Licio Mauro da Silveira. O evento conta com apoio da Associação Catarinense de Autismo (Asca), da Associação dos Amigos dos Autistas de Imbituba (Amai) e da Fundação Catarinense de Educação Especial.

A abertura do evento, pela manhã, foi marcada pela palestra da escritora, blogueira e palestrante, Kenya Diehl, 36 anos, que foi diagnosticada ainda na infância, com nove anos, como autista. Tal condição, no entanto, não a impediu de trabalhar, viajando o mundo com a missão de conscientizar as pessoas sobre o autismo e ajudando milhares de familiares a saírem da dor para o amor.

Escritora do blog olhandonosolhos.blogspot.com.br, com mais de 1,3 milhão de acessos, Kenya trabalha na luta pela divulgação e conscientização do autismo. “Escrevo diariamente mensagens de incentivo para pessoas que precisam de ajuda para se sentir melhor e ter forças para seguirem adiante.”

Na palestra disse que nunca desistiu de ser ela mesma, não aceitava que as pessoas dissessem o que ela poderia vestir ou se comportar. Falou do seu casamento e de seu filho, que também tem autismo. “Para o autista as coisas têm que ter sentido, uma lógica para entender as coisas. A gente não precisa ser aceita e sim se adaptar a vida.” Relatou as dificuldades do seu relacionamento como jovem autista com as pessoas que não a entendiam e reforçou que as pessoas têm que se adaptar e que os autistas não gostam de surpresas. Salientou que se expõem nas redes sociais por não ter preconceito e busca relacionamento com todas as pessoas agora, sem se prender às condições sociais.

Para Kenya, as pessoas não podem parar de aprender e devem enxergar os autistas além da doença. Disse que quando jovem, mesmo sabendo falar, passou por uma fase que não conseguia se comunicar. “Queria falar algo e sai outra totalmente diferente. Isolei-me, não por que quis, mas por não entender o que ocorria.” Abordou ainda as dificuldades que ainda tem, mas que está sempre procurando se adaptar. “O autismo não é motivo para limitar o desenvolvimento da pessoa. É preciso entender que o autista, dentro do tempo dele, dá a resposta aos estímulos que ele recebe.”

Sobre o mercado de trabalho, Kenya falou que os autistas são funcionários fiéis e sinceros, além de dedicados. “Se derem um trabalho, ele vai cumprir até que esteja totalmente completo.”

O presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência, deputado Dr. Vicente Caropreso (PSDB), afirmou que a realização do seminário em Imbituba foi um pedido da comunidade regional e que mesmo com a forte chuva que atingiu a região, foi um sucesso de público. “A Assembleia Legislativa tem atuado em todo o Estado levando informação, que faz toda diferença e proporciona a real inclusão que a gente tanto fala e procura. Esse seminário vem para trazer conhecimento a todas as pessoas envolvidas com o autismo, como profissionais e familiares.”

Caropreso observou ainda que eventos promovidos pela Comissão buscam melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência e, por consequência, a vida dos familiares e de todos aqueles que convivem com eles. Ele explicou que crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) já começam a demonstrar sinais nos primeiros meses de vida: elas não mantêm contato visual efetivo e não olham quando você chama. “O diagnóstico clínico é feito por meio de observação direta do comportamento e de uma entrevista com os pais ou responsáveis, que os sintomas costumam estarem presentes antes dos três anos, sendo possível fazer o diagnóstico por volta dos 18 meses.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *