Deputado Dr. Vicente alerta situação precária das rodovias catarinenses

Saiu na Imprensa | Blog do Prisco
29 de novembro de 2018
Saiu na Imprensa | Jefferson Saavedra (NSC)
16 de janeiro de 2019

Deputado Dr. Vicente alerta situação precária das rodovias catarinenses

Nessa terça-feira (11), o deputado estadual Dr. Vicente Caropreso (PSDB) se pronunciou na tribuna da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) sobre a infraestrutura das estradas no Estado.

De acordo com o parlamentar a  alta temporada está começando e o litoral catarinense recebe milhares de turistas que circulam pelas estradas no Estado. A previsão da Santur (Santa Catarina Turismo) é de que a movimentação turística vai crescer 5%, na comparação com a última alta temporada – quando 8 milhões de pessoas visitaram o estado. “Santa Catarina receberá mais de 8 milhões de pessoas e infelizmente essas pessoas, assim como nós catarinenses, circularão por estradas e rodovias precárias” salientou Caropreso.

Conforme o Conselho Estratégico para a Infraestrutura e Transporte e Logística Catarinense as Rodovias de Santa Catarina precisam de investimento de 2, 85 bilhões de reais. Cerca de 3 bilhões de reais – esse seria o valor dos investimentos vitais a serem realizados em infraestrutura rodoviária no nosso Estado. Do total, R$ 1,55 bilhão se refere a estradas federais e R$ 1,3 bilhão para obras em vias estaduais. O Conselho sugere ainda a necessidade de obras de contorno de Joinville e da região entre Penha e Porto Belo.

“Rodovias que cortam as principais cidades do nosso Estado como as BRs 101, 280 e 470, contornos como o da Grande Florianópolis e o de Joinville, necessitam de atenção. Obras inacabadas – algumas há 10 anos aguardando a finalização como é o caso da BR-208. Duplicações que não saem do papel, estradas estaduais com buracos e pouca iluminação. Contornos viários e elevados que não avançam. Situações que colocam em risco a vida dos catarinenses e turistas que circulam pelo nosso Estado” pontuou.

Ele ainda ressaltou que a capital catarinense, um dos principais destinos turísticos do país tem o segundo pior índice de mobilidade do mundo e o deslocamento mais complicado entre 21 das principais capitais brasileiras, conforme estudos da UNB, Universidade De Brasília.

“ Precisamos urgentemente mudar essa realidade. Santa Catarina não pode continuar com uma malha viária totalmente precária. Não existe desenvolvimento econômico, não existe turismo, não existe mobilidade sem estradas seguras. Infelizmente a falta de mobilidade está atrasando o nosso Estado. Atrasando o potencial do turismo, do desenvolvimento catarinense” completou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *