Autor: Emerson Alexandre Goncalves

VOLTA ÀS AULAS

As férias da pandemia vão acabando e logo teremos a volta às aulas.

Nesses tempos difíceis, a rotina escolar sofreu e seguirá sofrendo mudanças e adaptações às exigências sanitárias necessárias para o enfrentamento da COVID.

Cada município deverá definir suas regras conforme a classificação de risco e este ano novas normas irão regulamentar as aulas presenciais, como distanciamento, rodízio e alternância dos alunos. Fique atento ao que for determinado pela escola de seus filhos.

Mas algumas coisas não mudam como a compra de material escolar (que este ano deverá incluir máscaras) e aí vão algumas dicas para ajudar a economizar:

  • Verifique o que sobrou do ano anterior, reaproveite ou recicle tudo.
  • Faça uma lista do que faltar e pesquise os preços em lugares diferentes, eles variam muito de loja para loja.
  • Não compre por impulso nem faça todas as compras na mesma loja, para evitar que, entre produtos com um preço razoável, você compre outros com o preço bem mais alto.

Uma das tarefas mais difíceis é preparar as crianças para que voltem às aulas em clima de alegria e com boa disposição para estudar, para que o material escolar que você comprou seja bem aproveitado.

Nas férias somos mais liberais com os horários das crianças, mas as aulas vêm aí e devemos, aos poucos, entrar no seu ritmo para que essa volta aconteça da melhor maneira possível.

Para que a volta às aulas aconteça sem stress, é preciso adaptar o ritmo familiar, os horários de dormir, de acordar e das refeições.

Pelo menos uma semana antes do começo das aulas comece a despertá-los no horário de ir para a escola e ofereça as refeições também nas horas que eles comeriam se já estivessem em aula. Quando chegar a hora de voltar para a escola eles nem vão sentir a diferença, vão estar bem dispostos a encarar as aulas com facilidade e alegria e o rendimento escolar deles vai se beneficiar com isso.

Siga as regras sanitárias. Cuide da prevenção.

Um bom ano letivo a todos.

REFLUXO GASTROESOFÁGICO

Quando comemos, os alimentos passam por um tubo que desce pelo tórax e vai da garganta ao estômago, chamado esôfago.

Entre o esôfago e o estômago, existe uma válvula que se abre para a passagem dos alimentos e se fecha imediatamente para impedir que o suco gástrico suba e atinja a mucosa do esôfago causando irritação, pois o suco gástrico é uma substância bastante corrosiva, rica em ácido clorídrico.

Existem alguns motivos que podem causar o mau funcionamento dessa válvula, causando a doença chamada refluxo gastroesofágico – o retorno involuntário e repetitivo do conteúdo do estômago para o esôfago.

Os sintomas mais comuns do refluxo são:

  • Azia ou queimação na boca do estômago, que pode atingir até a garganta;
  • Dor torácica intensa;
  • Tosse seca; e
  • Doenças pulmonares repetidas, como pneumonias, bronquites e asma.

O refluxo gastroesofágico tem cura, com tratamento clínico ou cirúrgico, mas ele pode ser prevenido combatendo-se a obesidade, evitando refeições volumosas antes de deitar e fugindo do consumo de alimentos como café, chá preto, chá mate, chocolate, molho de tomate, comidas ácidas, bebidas alcoólicas e gasosas.

Algumas crianças pequenas podem apresentar episódios de refluxo, mas na maioria dos casos, o problema desaparece espontaneamente.

Para prevenir refluxo nas crianças, não ponha o bebê na cama assim que acabar de mamar. Mantenha-o em pé no colo até que arrote e elimine o ar que deglutiu durante a amamentação.

Perca peso, fique longe do cigarro, evite excessos de álcool e café, não use roupas apertadas na região do abdome, não se deite após as refeições. Faça refeições mais leves, distribua os alimentos em pequenas quantidades por várias refeições e coma sem pressa, mastigando bem os alimentos.

Previna o refluxo e não se automedique se tiver episódios repetidos de azia ou queimação. Procure assistência médica para diagnóstico e tratamento adequados.

Cultive bons hábitos alimentares, cuide-se bem e viva com saúde.

Como melhorar a memória

Todos as pessoas podem ter lapsos de memória, mas é normal que essas falhas sejam mais comuns a partir dos 60 anos.

Esses esquecimentos normalmente não são sintomas de doença neurológica grave, mas se eles começarem a se repetir muito, se deve consultar o neurologista.

Para melhorar o desempenho da sua memória, siga essas dicas:

  • Faça palavras cruzadas – elas ajudam a memória e enriquecem o vocabulário.
  • Programe suas tarefas para as situações da sua rotina – Por exemplo: se você tem de tomar um remédio na hora da novela, deixe os remédios na frente da televisão e não no quarto ou no banheiro. Isso ajudará a lembrar.
  • Durante o dia, pare o que estiver fazendo e se pergunte: “O que eu estava fazendo antes disso que estou fazendo agora? ”.
  • Manter um diário, ou agenda de todas as atividades realizadas também é um bom exercício. Antes de dormir, relembre tudo que você fez, com o maior número de detalhes possíveis.

Se quando você lê, precisa recomeçar a leitura muitas vezes, pois percebe que não está compreendendo, siga estas dicas:

  • Mantenha a concentração – veja se não há interferências prejudicando sua leitura.
  • Escolha um ambiente tranquilo, sem televisão, sem telefone tocando e sem pessoas falando ao redor. Mantenha a postura correta na cadeira, para que o incômodo provocado pela má postura não atrapalhe a compreensão do texto.
  • Destaque a informação mais importante – use uma folha de papel em branco para cobrir as linhas que você ainda não está lendo, visualize e leia uma linha por vez.
  • Sinalize frases importantes de cada parágrafo – com uma caneta marca-texto sinalize palavras e frases importantes e depois releia as partes grifadas para absorver melhor a informação.

Pratique estas estratégias por algumas semanas.

Se achar que não ajudou, consulte um neurologista, para ter recomendações de dietas, exercícios físicos específicos, dicas para melhorar o sono e para avaliar se os medicamentos que você toma podem estar afetando sua memória.

Doze meses de pandemia

Neste fevereiro completamos doze meses de convivência com a pandemia provocada pelo novo Coronavírus, causadora de mudanças profundas nas vidas dos povos de todo o planeta.

Em nosso país, a pandemia segue sendo devastadora, ceifando quase um quarto de milhão de vidas.

A Teoria da Evolução das Espécies de Darwin provou que toda a mutação que ocorre nos seres vivos de qualquer espécie só prospera quando eles se tornam mais capazes de sobreviver e de multiplicarem-se. Quando uma mutação dificulta a sobrevivência da espécie, ela se extingue com o fim dos indivíduos mal adaptados.

Por isso, quando sabemos que o novo Coronavírus apresenta mutações, isso significa que ele se tornou ainda mais capaz de sobreviver, ou seja, adquiriu mais capacidade de infectar seus hospedeiros e multiplicar-se, já que essa é sua única forma de sobrevivência.

A mutação surgida na Amazônia confirma a Teoria de Darwin, revelando-se mais contagiosa e perigosa que o vírus que lhe deu origem.

A boa notícia é que as vacinas parecem ter efeito sobre ela como tem sobre o vírus original.

Mas devemos redobrar os cuidados, pois esta nova cepa de vírus está se espalhando pelo território nacional.

A vacinação em massa ainda está longe de ser uma realidade para todos e tudo indica que ainda teremos mais um ano pela frente em que os cuidados de prevenção serão nossa única garantia real de evitar a doença, ou seja, as medidas sanitárias deverão seguir sendo tomadas pela população.

A única garantia que temos de evitar a contaminação ainda é o distanciamento social, o uso de máscaras e a higienização constante das mãos.

Mesmo os vacinados devem seguir as regras de prevenção por até 30 dias após a segunda dose.

Há vários casos registrados de reinfecção, só estaremos realmente seguros quando a vacinação atingir pelo menos 75% da população e atingirmos a imunidade coletiva.

Não esqueça, neste momento devemos ser solidários uns com os outros.

Cuidar bem de si é cuidar de todos.

SEDENTARISMO PODE MATAR

Atividade física é qualquer movimento que gaste energia, como caminhar, lavar louça ou subir escadas.

O contrário disso é o sedentarismo: um estado muito reduzido de atividade física que pode comprometer, e muito, a manutenção da saúde.

A modernização da sociedade e a alta velocidade do desenvolvimento tecnológico têm modificado os hábitos do ser humano, causando uma enorme redução da atividade física na vida das pessoas de todas as idades, crianças, adultos e idosos de ambos os sexos.

 Estudo publicado na revista médica The Lancet* igualou o sedentarismo, em relação à mortalidade, a outros fatores de risco como o tabagismo e a obesidade. O estudo mostrou também que a prática de exercícios é capaz de prevenir 10% dos casos de diabetes, 10% dos casos de câncer de mama e câncer de cólon.

Por outro lado, mostrou que o sedentarismo foi responsável por 9% dos casos de mortalidade prematura, em todo o mundo.

Para vencer o sedentarismo, recomenda-se a prática de atividade física aeróbica moderada por no mínimo 30 minutos, cinco vezes por semana, ou atividade aeróbica de maior intensidade por 20 minutos, três vezes por semana, complementados por exercícios de musculação duas vezes por semana.

A atividade física deve ser usada como receita para a promoção da saúde cardiovascular. Explicar que o exercício deve fazer parte do tratamento, prescrevendo-o no receituário, é um dos caminhos que os médicos devem seguir para vencer o sedentarismo de seus pacientes.

Tanto as pessoas que querem começar uma atividade física quanto pacientes com histórico de doenças cardiovasculares devem consultar o médico para orientar sua prática de exercícios. Mas atividade física moderada, como caminhar, pode ser realizada pela maioria das pessoas.

A atividade física regular (aliada uma boa alimentação) é uma receita sem contraindicação para uma vida plena de saúde.

Mexa-se! O sedentarismo pode matar.

Acesse

Destinação de recursos para entidades pode não acontecer como previsto

O deputado estadual Dr. Vicente Caropreso (PSDB) apresentou ainda em 2019 na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, o Projeto de Lei número 260/2019. O projeto da Nota Fiscal Segura. O Projeto de Lei propõe que qualquer contribuinte catarinense poderá destinar parte do ICMS contido em qualquer transação econômica, para entidades como APAE’s, AMA’s, entidades culturais ou esportivas, enfim, qualquer entidade regulamentada perante a Secretaria do Estado da Fazenda.

O PL 260/2019 da Nota Fiscal Segura, em virtude dos ritos da Alesc, sofreu uma mudança em seu trâmite e hoje ele depende de um outro projeto de lei muito mais simples, que não apresenta o compromisso de garantir parte dos recursos do ICMS para as entidades filantrópicas. No novo projeto de lei, o contribuinte repassa o valor ao Governo do Estado e o executivo estadual faz o que quer com o dinheiro arrecadado, na hora que quiser, sem que as entidades sociais, culturais e esportivas sejam contempladas.

Porém ainda há tempo de preservar a ideia original do Projeto de Lei da Nota Fiscal Segura e garantir com que as entidades garantam os tão necessários recursos. Para isso todo esforço da sociedade catarinense organizada se faz necessário em fazer uma justa pressão junto a Assembleia Legislativa, para que o espírito do Projeto de Lei da Nota Fiscal Segura permaneça.

A aprovação do PL da Nota Fiscal Segura é muito excelente para as entidades filantrópicas, culturais, sociais e esportivas. Toda a sociedade catarinense irá ganhar como destaca o deputado estadual Dr. Vicente Caropreso.

Prestando contas

 
Uma das missões do deputado é ouvir as demandas da sociedade, atendê-las e divulgar o trabalho realizado.
Este ano foram direcionados mais de R$ 10 milhões de recursos públicos por meio de emendas de minha autoria aos municípios e entidades do estado, distribuídos para atender os pleitos por benefícios, como resumido abaixo:
 
Assistência Social – 23 APAEs e AMAs beneficiadas com reformas e aquisição de equipamentos;
Segurança – 8 associações de Bombeiros Voluntários com a compra de veículos e equipamentos;
Educação – 9 municípios com construção e reformas de creches e escolas;
Infraestrutura – 14 municípios com obras de construção, pavimentação e manutenção de vias, aquisição de máquinas e sinalização turística.
Saúde – 24 municípios com recursos para hospitais, construção e reforma de Postos de Saúde e compra de medicamentos e exames de alta e média complexidade.

Outra missão é legislar, para adequar as leis à realidade sempre mutante da sociedade, para tanto, apresentei os seguintes Projetos de Lei:
 
PL2/2020 – Isenta de pedágio quem faz tratamento de saúde fora do domicílio em rodovias administradas pelo Estado.
PL305/2020 – Isenta a pessoa com deficiência de pagar pelo uso do transporte marítimo, como balsas ou “ferryboat”, nos serviços públicos ou privados oferecidos mediante concessão pública. A legislação atual garante 50% de desconto para o deficiente.
PL112.8/2020 – Altera a idade limite para o policial militar ir para a reserva remunerada, ampliando entre 4 e 8 anos a possibilidade de permanência na atividade. A lei atual obriga o oficial a deixar o posto de trabalho aos 55 anos, na contramão do vem acontecendo com o resto da sociedade que viu seu tempo de contribuição aumentar antes de poder aposentar-se.
 
Prestar contas é um dever para com as pessoas que depositaram confiança nas minhas propostas.
Um forte abraço,
 
Dr. Vicente Caropreso  –   Deputado Estadual
 
Scroll to top